terça-feira, 31 de janeiro de 2012

MS recebe recurso para casas de apoio a pacientes com HIV

Duas cidades de MS devem receber o recurso a cada quatro meses. Foram liberados R$249

                                                                                                                Stephanie Brittes

Foi publicada hoje no Diário Oficial da União, a liberação de R$249 para Mato Grosso do Sul investir em casas de apoio para tratar pacientes portadores do vírus HIV/AIDS e soropositivos.

Apenas duas cidades foram contempladas, são elas Campo Grande e Ponta Porá. Para a Capital serão encaminhados R$165 mil, que devem ser recebidos a cada quatro meses. A outra cidade que também poderá contar com o recurso, é Ponta Porá, a 346 quilômetros de Campo Grande.

Foram destinados à cidade R$ 84 mil. O dinheiro será colocado no Piso Variável de Vigilância e Promoção da Saúde (PVVPS). Além de Mato Grosso do Sul, outro Estado da região Centro-oeste também receberá o recurso. O governo federal autorizou um repasse de R$297 mil para Goiás, onde será criada uma casa de apoio em quatro municípios. São eles: Anápolis, Aparecida de Goiânia, Goiânia e Jussara. O pagamento do recurso será feito em três parcelas, a serem pagas nos meses de janeiro, maio e setembro.

Para fazer o repasse, serão encaminhados ao Fundo Nacional de Saúde, recursos do Bloco de Vigilância em Saúde e serão adotadas medidas específicas para transferência regular e automática para os Fundos Estaduais, Distrito Federal e Municipais de Saúde correspondentes.

De acordo com o último relatório divulgado pela Unaids, programa das Nações Unidas dedicado ao combate à AIDS, divulgado em novembro de 2011 o número de contaminações diminuiu cerca de 21% em 2010. Um dos fatores que teria contribuído para uma mudança neste quadro seria o acesso aos medicamentos. No relatório anual, o Brasil tem sido citado como exemplo no combate à doença.

No país, entre 60% e 79% dos infectados têm acesso ao tratamento. Ainda de acordo com o relatório, o governo brasileiro "investe adequadamente nos lugares certos, com as estratégias certas". Em 2008, foram investidos 600 milhões de dólares para garantir o acesso à prevenção e tratamento da aids pela população carente, segundo a Unaids.